Líderes condenam atentado no Egito

Nov 24, 2017

Por Ópera Mundi                                                                                                              

 

Líderes mundiais vieram a público condenar o atentado terrorista ocorrido nesta sexta-feira (24/11) em uma mesquita na península do Sinai, no Egito. O número de mortos chega a 270, disse Nasrala Mohammed, prefeito da cidade de Bear al Abd, onde aconteceu o ataque.

Uma bomba no interior da instituição teria sido ativada durante um momento de oração e homens fortemente armados se posicionaram nas portas da mesquita e abriram fogo contra os muçulmanos.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, lamentou, pelo Twitter, o ataque. "Ataque terrorista horrível e covarde contra fiéis inocentes e indefesos no Egito.

O mundo não pode tolerar o terrorismo, precisamos derrotá-los militarmente e desacreditar a ideologia extremista que forma a base de sua existência", afirmou.

O premiê da Itália, Paolo Gentilioni, classificou o ataque de “horror”. “Os nossos pensamentos vão para as vítimas, a nossa solidariedade para as famílias atingidas e para o Egito”, disse, também pelo Twitter.

Em nota, o Ministério de Relações Exteriores do Brasil manifestou solidariedade com as vítimas. "O governo brasileiro tomou conhecimento, com grande consternação, do ataque terrorista, ocorrido hoje, contra mesquita em Al-Arish, na província do Sinai, no Egito, que deixou centenas de mortos e feridos”, afirma.

“Ao expressar suas condolências às famílias das vítimas, seus votos de plena recuperação aos feridos e sua solidariedade ao povo e ao governo do Egito, o Brasil reitera veementemente seu repúdio a todo e qualquer ato de terrorismo, independentemente de sua motivação”, conclui o governo brasileiro.
Resposta do governo

O presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sisi, comandou uma reunião de segurança de emergência para discutir o ataque terrorista e ordenou o início de investigações. Ele prometeu uma “resposta brutal” aos autores.

O ataque ocorreu em uma pequena localidade chamada Bir El Abd, e, segundo uma testemunha, "os fiéis foram deixados sob a mira dos terroristas". A ação ocorre no dia das maiores orações dos islâmicos, que ocorrem às sextas-feiras.

Apesar de não ter sido reivindicado, autoridades investigam se o ato foi cometido por um grupo aliado do Estado Islâmico (EI), que é bastante ativo na região do Sinai.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.


Anti-spam: complete the task

Vídeos