O futuro não é a escravidão, idiotas!

Jul 12, 2017

Por Fernando Brito, no Tijolaço                                                     

 

Vivemos num mundo de mitos, as tais “pós-verdades” de que tanto se fala.

Dizem que nossa produtividade caiu, embora seja impossível, sequer por um minuto, convencer alguém de que possa ter caído a produtividade humana com tantas inovações tecnológicas.

Dizem que somos mais ociosos, mas como, se smartphones e computadores acabaram com a “hora do almoço”, o “depois do expediente”, o “só na segunda-feira”?

Ou você e eu não estamos sujeitos à “coleira eletrônica”?

Ah, mas agora vamos nos modernizar.

Vamos ter um empregado “de vez em quando”, que chamamos a hora que quisermos e só nestas horas será pago. “Diaristas”, “horistas”, por quantos dias ou horas o patrão quiser, sempre à disposição.

Meia hora de almoço, engula correndo a marmita fria!

Divido suas férias em três parcelas, de preferência na semana que tenha feriados.

Se o trabalho é num cafundó, onde não há (ou é raro) o transporte, o tempo que o peão sacode no ônibus ou na caçamba do caminhão para chegar lá não conta como trabalho.

Acaba-se também com aquela burocracia horrorosa de verificar, na demissão, se “os direitos” foram pagos. Se o infeliz, pobre e humilde, não os sabe, problema dele…

O tronco e o chicote ficam por conta do patronato. Grátis, viu?

Será que nossa elite dirigente ache que isso é sustentável? Em pleno século 21, achar que o futuro está na escrav

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.


Anti-spam: complete the task

Vídeos